Liverpool 2 – City explorers

by - 19:06

A chuva continua a castigar o nosso fim-de-semana mas não nos deixamos abater. O que fazemos? “We buy an umbrella” e fazemo-nos à estrada, isto é, à cidade


O antigo edifício da Universidade acolhe hoje a Victoria Gallery and Museum.


























Dia dois em Liverpool e a chuva continua a cair. Mais um dia em que vou aparecer toda despenteada nas fotografias. Pequeno-almoço tomado (continental porque não temos estômago para “bacon, eggs and beans” logo de manhã), saímos para a rua com o nosso novo guarda-chuva onde se lê “Keep calm and carry on”, acho que é o slogan adoptado para o Jubileu da rainha.

Hoje queremos explorar Liverpool, não só para apreciar a arquitectura riquíssima, os inúmeros museus (todos com entrada gratuita, estou no paraíso) mas também para nos misturarmos com as pessoas nas ruas, sentindo o pulsar da cidade. 

Compramos um bilhete para o City Explorer (7£ por pessoa), um dos autocarros com serviço “hop on, hop of”, válido para 24 horas. O autocarro sai do Albert Dock a cada meia hora para um tour com guia e direito a entrar/sair em qualquer uma das 12 paragens estratégicas, para almoçar, explorar, fazer compras, ou simplesmente deambular.


A estátua de Eduardo VII, em frente ao Pier Head e aos edifícios da Mann Island.




John é o nome do nosso guia bem-humorado. “Hello fellows”, cumprimenta ele com o seu sotaque cerrado, enquanto arrancamos pela beira-rio, passando pelo Museu de Liverpool em direcção à Mann Island.

O Museu de Liverpool fica num moderno edifício próximo ao Albert Dock. À porta, estão umas esculturas curiosas, as Super Lamb Bananas, de que falarei mais à frente. A colecção do museu retrata 800 anos de história de uma terra de estivadores, marinheiros e aventureiros. 



Durante o fim-de-semana, o Albert Dock tem um intenso programa de animação, com piratas e demonstrações náuticas.


I am the gateway to the Atlantic é o poema que recebe os visitantes, em nota de introdução:
“I am the path to glory and the road to hell
I am the gull on the wing and the salt in the air
I am the night patrol and the morning prayer
I am the port register, read the names with pride
I am the thickening fog and the quickening tide
I am the ferryboat, the slaver, the man-o’-war
I am the keeper of the quays, welcome ashore
I am the starstruck, eternal romantic
I am the gateway to the Atlantic”

O guia aponta outro edifício, de tijolo vermelho, na esquina da James Street. É, nada mais nada menos, o escritório da White Star Line, a empresa onde o Titanic foi registado e que contratou a tripulação. A cidade recorda as vítimas do famoso acidente, muitas delas conterrâneas, no Museu Marítimo (no Albert Dock, que ainda agora deixamos para trás). Do outro lado da rua, um monumento em honra da rainha Vitória. 

Dirigimo-nos para o centro da cidade, onde fica o Metaquarter (zona comercial), o Cavern Club onde os Beatles ganharam fama, e a zona de St. George, onde nos vamos apear. 

Este cantinho da cidade é enfeitado por vários edifícios públicos, cada um mais bonito do que o outro, com destaque para o George Hall, em estilo neoclássico. Muitos deles acolhem museus e galerias, bem como a biblioteca pública. 

Um desfile anima o St. George's Quarter.

Acabamos por passar várias horas no World Museum, que tem uma ou mais exposições em cada um dos cinco andares. Outro dia falarei sobre esta experiência, porque agora é tempo de almoçar e passear pelas ruas do centro, nomeadamente em Whitechapel e na Church Street que estão sempre apinhadas. Diferentes línguas, etnias e cores de cabelo conjugam-se ali numa alegre e colorida cacofonia.

No dia seguinte passaríamos novamente por aqui, para nos sentarmos um pouco e observarmos as pessoas. Este é um dos meus passatempos preferidos quando estou no estrangeiro. 


Desta vez, sons latinos enchiam a rua e fartamo-nos de rir quando o grupo teve que parar a actuação para comprar um novo CD de acompanhamento, ha ha ha… 



video

Saltamos novamente para o City Explorer até à zona das catedrais (existem duas), onde me apaixonei pelo edifício da antiga Universidade, que hoje acolhe a Victoria Gallery and Museum. Para mim, é o mais bonito de toda a Liverpool.

Ali perto, fica também a China Town, onde o nome das ruas é escrito em inglês e mandarim. A comunidade chinesa resulta das fortes relações comerciais de outrora, especialmente com Shangai, uma das cidades-gémeas de Liverpool. 

Uma amizade assinalada pelo arco que se vê abaixo e que, segundo o guia, é o maior arco chinês no Ocidente. Mas, acrescenta ele, sempre que diz isto, há sempre alguém que diz conhecer um maior…


Shangai ofereceu este "arco da amizade" a Liverpool.



De volta ao Albert Dock, o guia aponta a outra margem do rio Merse lembrando que do outro lado existe outro país: Wales. “Quando o vento está de feição, conseguimos ouvi-los cantar” - lança com humor, rindo-se muito quando vê alguns turistas a apurar o ouvido.

Este foi realmente um dia preenchido (e ainda haverá jogo da selecção portuguesa na televisão esta noite). Vimos a cidade, fomos ao World Museum e ao Tate. Dois museus num só dia, como estou feliz! Sobre este recorde para o meu marido Miguel e outras preciosidades falaremos outro dia, que este post já vai longo demais.

Aliás, devem estar a roer-se para saber o que raio são as Super Lamb Bananas






You May Also Like

3 comentários

  1. Que lindas fotos e lugares!Tomara a chuva passe e possas passear bastante sem ela! beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. Ah, que vontade de apanhar já um avião para lá!!! Levava só uma mudinha de roupa e comprava depois tudo no Harrod's ;)
    Beijinhos,
    Madalena

    ResponderEliminar
  3. Querida Chicca. Passamos três dias em Liverpool e só no último tivemos direito a um bocadinho de sol. Os ingleses descascaram-se logo - chinelito, t-shirt e gelados :)

    Madalena, a Ryanair tem dois voos por semana para Liverpool. As únicas compras que fiz foram meias (porque molhei todas as que levei),um guarda-chuva e um livro!

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!