A aldeia das sopas Knorr

by - 02:34

A solidão da Beira Interior esconde lindas aldeias de pedra, aldeias históricas, com castelos e muralhas e história. Hoje visitamos uma das mais bonitas: Sortelha


 


O caminho desde o Sabugal é tranquilo e a paisagem rude: pedras, pedras e pedras, salteadas com grandes geradores de energia eólica. A curiosidade dita uma paragem neste percurso para ver de todos os ângulos um grande bloco de granito que lembra um animal. Chamam-lhe o barroco do leão, informa-nos a placa.

Mais uns quilómetros, poucos, e entramos na pequena aldeia cercada de muralhas e vigiada por um castelo do século XIII, empoleirado numa escarpa íngreme. Dali se avista o esplendoroso vale de Riba-Coa, mas o vento e a vertigem impede que alguns subam até à Torre de Menagem.

Mas adianto-me. Primeiro há que transpor a Porta da Vila, que se abre para o "Largo do Curral", um pátio de pedra e árvores centenárias que convida a explorar as estreitas vielas. 


Ali fica o posto de turismo, onde nos propõem um percurso literário, e a Casa dos Falcões (séc. XVI), onde se instalou o Restaurante D. Sancho que, dizem, serve um charmoso arroz de lebre. Pela fila que se estende da sua porta, permito-me acreditar.








Nós já almoçamos, pelo que seguimos adiante, rumo ao Castelo que surge numa praça enfeitada por um elegante pelourinho manuelino. Eis também a antiga Domus Municipalis convertida em escola e, no piso inferior, a antiga cadeia transformada numa loja de artesanato.

Antes de nos aventurarmos na subida à Torre, espreitamos pela Porta Falsa, ou da Traição, de onde se lançavam os traidores e azeite a ferver sobre os invasores...

Só então subimos ao topo, percorremos a muralha medieval, espreitando pelas seteiras, fustigados pelo vento feroz cantado por Miguel Torga: "pelas frinchas da casa o vento ia dando punhaladas traiçoeiras".

E a sopa?

Continuamos o nosso sobe-e-desce escadinhas e calçadas, algumas cavadas na rocha, num deambular delicioso. As casinhas beirãs são igualmente de granito, assim como os muros das hortas pequeninas. Algumas protegem apenas duas ou três oliveiras.








Tropeçamos na Casa do Juiz, na Casa Árabe, na Casa do Governador (1645), na Igreja (infelizmente fechada, gostaria de ver o famoso tecto mudejár), na Torre do Facho... Cada uma destas portas conta uma história. A cada passo, um gato espreita-nos curioso.

Saímos por outra Porta Falsa, onde a Cabeça da Velha de nariz adunco nos arranca gargalhadas, antes de mergulharmos novamente nas austeras muralhas desta aldeia que serviu de cenário para um anúncio das sopas Knorr.

Na muralha virada a Este, a nossa imaginação vislumbra Espanha. O país vizinho fica a poucos quilómetros recorda-nos ainda Torga: "Terra nua e tamanha / Que nela coube o Velho-Mundo e o Novo... / Que nela cabem Portugal e Espanha / E a loucura com asas do seu Povo".

Como outros aglomerados urbanos isolados e prenhes de História, intimamente ligados à fundação da nacionalidade, Sortelha escapou à ruína graças ao programa do governo chamado "Aldeias Históricas" (consulte o site aqui). Ainda bem! 

Espero voltar numa tarde de Verão, para ver o sol a pôr-se sobre esta aldeia encantada e sentar-me na Taberna da Muralha, fechada a cadeado a esta hora, a debicar licores caseiros.








You May Also Like

21 comentários

  1. Aldeia, entre outras da Beira Interior, cada vez mais isolada pela incúria dos homens...
    Obrigado pela viagem, rever Sortelha é sempre um enorme prazer.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. Acho um encanto ver ,visitar aldeias assim. Apender, viajar e passear contigo é muito bom! beijos,chica

    ResponderEliminar
  3. Nossa a sensação é não ter resposta se vc esteve sim ou não nesse lugar. Na mesma hora que sim, fica a dúvida do não.....srsrsrsr.....parece um conto, mas acho que foi real.

    Obrigada sempre pelo carinho e suas visitas. No momento ainda não voltarei ao blog pra postar coisas minhas. Ainda não há grandes coisas dentro de mim que possa edificar as pessoas. Passo momentos tumultuadas, cuidando de minha mãe doente da alma e de saúde também. Há dias alternados entre PAZ e muitas vezes parece inferno, onde penso se enlouqueço mas sei que vai passar. Ontem estive a pensar: os dedos de cada mão são 5, então porque Deus olha sempre pro mesmo dedo....mas não consegui a resposta. Nem penso mais na parte de o que semeamos colhemos, pois vejo tanta gente colhendo sem ter semeado nada...só espero que ainda haja tempo para reescrever uma nova história em minha vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Simone, claro que estive, temos muitos lugares encantadores como este em Portugal, embora os turistas estrangeiros visitem Lisboa e pouco mais. As fotos foram tiradas por mim... não acho muita piada em falar de sítios onde não estive.
      Só não apareço nas fotografias porque fui sozinha com o meu pequeno explorador :)
      Beijinho

      Eliminar
  4. Como de costume, me delicio quando venho aqui te visitar.
    É sempre um prazer viajar por estas páginas encantadas.

    Um grande abraço!
    Marineide

    ResponderEliminar
  5. Oi Ruthia,
    obrigada por me levar a mais um lindo e instrutivo passeio. Aos poucos vou conhecendo seu belo país.
    Beijos e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Silvia. Portugal tem recantos belíssimos, assim como o seu (morei aí em 2011 e apaixonei-me pelo Brasil).
      Beijos, mil

      Eliminar
  6. Tal qual a Chica, amo viajar contigo, querida amiga.... sempre nos dando lindas lições de história... novamente te agradeço a mais essa aula de cultura!
    bjs desejando ótima semana
    tititi da dri

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tu Dri, como sempre, és muito generosa! Beijinho e uma doce semana

      Eliminar
  7. Sortelha é mágica. "Revê-la" aqui foi um encanto.
    Obrigada pela partilha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Guida, seja muito bem vinda. Partilho do seu entusiasmo por Sortelha, apesar de conhecer grande parte das aldeias históricas.
      Um abraço e volte sempre!

      Eliminar
    2. Ando nesta sua estrada há muito tempo, mas só hoje fiz um comentário.
      Parabéns pelo blogue e por cá continuarei certamente.
      Abraço.

      Eliminar
    3. Fico muito feliz. Deixe o link, caso tenha algum blog, para que possa retribuir a sua amabilidade. Um abraço

      Eliminar
  8. Nossa que lugar lindo. Ótima escolha da Knorr :D
    Mas eu fiquei muito curiosa para provar esse arroz de lebre, uhmmmm, deve ser uma delícia!!
    Beijos,

    lolaporlola.blogspot.com

    Instagram: @stephanieparizi

    ResponderEliminar
  9. Que lindo o castelo!!! Apeteceu-me mesmo visitar Sortelha! Pode ser que consiga convencer o meu consorte a ir lá no Verão ;)
    Beijinhos, boa semana!
    Madalena

    ResponderEliminar
  10. Nunca lá fui.
    Mas pelas fotos e pela tua descrição, acho que vale a pena passar por lá uma tarde.
    Beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
  11. Já andei por essas paragens, que considero duma beleza agreste mas profunda.
    Temos, em Portugal, locais maravilhosos, algus pouco conhecidos duma grande parte da população. Eu tive a sorte de ter um grupo de amigos que gosta de "desbravar terreno" :))) E temos dado passeios fantásticos.

    A forma como descreves e ilustras as tuas narrativas fazem nascer a vontade de visitar esses locais.

    Não conhecia o vídeo. Achei interessante.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Olá amiga,
    Adorei seu blog, muito instrutivo, além de ter imagens incríveis, parabéns

    Já estou seguindo

    Abraços,
    BrBão

    ResponderEliminar
  13. Nossa menina que lindo, que sortuda vc de conhecer um lugar assim, adorei. Assim eu em casa conheço através de vcs....bjim.

    ResponderEliminar
  14. Não conhecia, não fazia ideia, as tuas viagens mostram-nos como, dentro de um país pequeno, existem tantos e tão variados tesouros, história e cultura em cada cantinho escondido.Cada vez amo mais o nosso Portugal :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  15. Olá!! Adorei os elogios e sua visita, obrigado e gosto muito do seu Blog também... Beijos

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!