As sombras de Praga

by - 17:48




O roteiro de hoje é cinzento, porque também de escuridão se faz a História da Humanidade. A República Checa não é excepção. Ao longo dos séculos, o país e a cidade tiverem a sua conta de dramas e convulsões. A estátua do reformador Jan Huss, na Praça da Cidade Velha, não deixa esquecer um passado intolerante para com a diferença.

Das várias formas de crueldade humana é também testemunha o Museu da Tortura, recordando tempos medievos, quando hereges e bruxas eram não só queimados, mas também empalados, estripados, apedrejados e outros "ados" de causar pesadelos. Não visitei o dito museu, porque o horror já nos invade diariamente as casas, cada vez que assistimos às notícias. Não carece procurá-lo...

A verdade é que, ainda hoje, alguns recantos de Praga exalam uma melancolia madura, uma espécie de sombra herdada de tempos soviéticos. Por exemplo, encontrei o último vestígio da monumentalidade comunista num parque perto da central ferroviária de Praga (Hlavní Nadraži). A estátua dos anos 60 recorda a "libertação" da cidade do jugo nazi, em 1945.




© www.visitar-praga.com.pt


Não observei a escultura com o pormenor que quis, porque o lugar é frequentado por indigentes diversos mas, chegada ao hotel, fui pesquisar aquele estranho objecto público. Encontrei o site de um português que morou em Praga e se apaixonou pela cidade (são dele, as imagens dos soldados que se beijam). Ele explica tudo exemplarmente:

"A estátua representa um abraço e um beijo fraternal – muitos dirão, para além disso, com laivos de homossexualidade – entre um “libertador” soviético e um militar checo. Mas existe uma mensagem relativamente discreta no trabalho: o soviético ergue-se altivo, imperioso, claramente maior no sentido de escala, sendo abraçado a partir de baixo por uma figura de dimensões mais reduzidas, assumindo uma posição de subserviência feminina. A mensagem era evidente e reflectia uma realidade diplomática que se projectou durante décadas no relacionamento entre a União Soviética, e a teoricamente soberana Checoslováquia".

A Praça de S. Venceslau está também ligada a este passado dramático - foi nesta longa alameda que a população se sublevou contra os militares soviéticos (1968), foi aqui que um universitário se imolou no ano a seguir, foi ainda aqui que caiu o comunismo, em 1989.






O peso da História fica, por fim, indelevelmente marcado na colina de Petrin com o memorial às vitimas do comunismo dedicado "to all victims, not only those who were jailed or executed but also those whose lives were ruined by totalitarian despotism".

Apesar de tudo, este é um povo de convicções: em Malá Strana, o Muro de John Lennon prova a  força dos checos e a sua esperança num mundo pacífico. A 8 de Dezembro de 1980, um grupo de jovens homenageou ali o compositor de Imagine, recém assassinado. Um acto que implicava acusações de subversão e prisão. Apesar do policiamento e das limpezas constantes, a parede não voltou a ser branca e a própria Yoko Uno escreveu ali uma dedicatória.

Hoje, as mensagens (que continuam a ser "moderadas" pela Ordem de Malta que é proprietária do espaço) terão um espírito mais festivaleiro mas, no meio das garatujas, encontramos ainda mensagens de esperança: "never again" ou ainda "everyday is another chance".


Cliquem na imagem, para aumentar.




P.S. Apesar de macabro, este roteiro tem uma vantagem inegável: 
é completamente gratuito. 

You May Also Like

21 comentários

  1. Estou aqui, há uns tantos minutos, olhando para as fotos e pensando: Por que será que tantos fatos "historicamente relevantes" tendem a acontecer nos mesmos lugares? Que tipo de intencionalidade é essa? Há, mesmo, alguma? De quem? Das "massas"? Não sei. Melhor esquecer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente, Marta. Há lugares que atraem naturalmente os grandes acontecimentos de uma nação. E pisar esse solo é muito intenso, principalmente para quem gosta de história...
      Beijinho

      Eliminar
  2. Um post muito bom. Não se trata só de um relato de uma visita e de algumas fotos. É também uma lição de história que se aprende, lendo o texto, e vendo as imagens.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Beleza de post e mesmo macabro, podemos aprender e degustar! bjs, chica

    ResponderEliminar
  4. Quando abri seu blog, a primeira imagem me chocou. Creio que andar por alguns lugares, tristemente marcados pela história, impõe um acréscimo de melancolia à bagagem. É impossível controlar os pensamentos e eles caminham por terrenos áridos, marcantes e inesquecíveis, independente de não se ter vivido as dores que abraçaram. Mas há um lado positivo no ato de conhecê-los, poder estar onde os fatos , aqueles que encontramos nos livros, aconteceram. Excelente sua postagem. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daí a importância desses monumentos, como o dedicado às vítimas do comunismo, que realmente impressiona. Eles servem para não nos esquecermos do que aconteceu, para nos recordar da capacidade humana para a destruição... será que aprendemos alguma coisa com isso???
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Ruthia,

    Não digo ser "macabro", mas sombrio. É uma cidade com fortes fatores históricos.
    Quando estive lá em Praga, a primeira vez, foi impressionante, eles tinham se libertado do comunismo (o fim do regime só veio em 1989 após a Revolução de Veludo), estavam tentando se reerguer e ainda havia muita pobreza. Estive lá pouco depois de 1992, quando houve a dissolução dos laços que uniam checos e eslovacos numa federação única, então Praga deixou de ser a capital da Checoslováquia e passou a ser capital da República Checa.

    Amiga, é muita história num lugar ricamente detalhado em forma e informações.

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Ambos passamos por Namíbia mas com diferenças de idade, consequências de guerra!
    Muito bem elaborado, tem estrutura para continuar.
    Obrigado pela partilha

    ResponderEliminar
  7. Olá Ruthia.
    Pode ser um roteiro cinzento, mas sua publicação é um convite à realizá-lo; gosto muito de passeios que incentivam a pesquisa, como este e tantos outros que você publica aqui. Bacana a intervenção popular no Muro de John Lennon, acho que é um uma expressão da liberdade tão reprimida no governo comunista. Adoro passeios gratuitos! Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chris, e quem não gosta de um roteiro gratuito?? Só gastamos solas de sapato. Caramba, como palmilhamos naquela cidade... O meu filho é um campeão!
      Beijos

      Eliminar
  8. Ola minha amiga, seu relato é muito importante e belo da triste historia.
    Muito li sobre esta parte da historia.
    Viajar com voce é muito bom.
    Já tinha visto as imagens no Instagram.
    Aqui a Primavera e enviamos flores para voce.
    Meu abraço de muita paz e luz e grato sempre pela partilha.
    Beijo de paz amiga.

    ResponderEliminar
  9. Ai amiga, está ai um roteiro que eu não faria de jeito nenhum, além de ver e ficar com medo dessas "sombras" macabras, tem muita tristeza envolvida ai :|
    Mas pra quem aprecia toda a história, sem dúvidas vale a pena!!!
    Bom fim de semana querida :)
    Beijinhos, Té
    www.bloglola.com.br

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Té, não acordei um dia e pensei, "vamos lá fazer um roteiro triste". Nada disso. Aliás, visitei estes lugares em dias diferentes. Acontece que ao longo da minha estadia fui reparando nos pormenores que deram origem a um post. Não sou assim tão deprimente :)
      beijos querida

      Eliminar
  10. Ruthia, pode ser macabro mas eu adorei as fotos e seu texto! Que interessante a história dessa estátua que mais que a homeossexualidade retrata a dominação política da época. E achei legal ver o John Lennon por aí tb,espalhando seu amor! bjs,

    ResponderEliminar
  11. Ruthia,
    estou aqui lendo este teu roteiro minucioso e me quedando pensativa sobre o clamor de tantas manifestações históricas de um povo sofrido, mas também bravo e esperançoso.Não passei nem perto de tais logradouros, até porque os desconhecia.Como fomos sozinhos, eu e marido e por apenas dois dias, ficamos mais concentrados nos espaços turísticos mais apontados.

    Mais um capítulo impecável sobre esta instigante Praga.Aqui vc deixa um roteiro cultural imperdível para novos e retornantes visitantes \o/
    Um abraço fraterno.Bom final de semana.
    Bjos em ti e no pequeno.
    Calu

    ResponderEliminar
  12. Everyday is another chance, sem dúvida! O muro de John Lennon parece ajudar a quebrar a "cinzentez" das memórias da cidade. Muito bom post, parabéns :)
    Beijinhos e bom domingo (e Outubro está aí ;))!

    ResponderEliminar
  13. Bem interessante, várias pessoas que fizeram viagens extensas pela Europa me falaram de Praga como uma das cidades mais interessantes, assim como Budapeste.

    ResponderEliminar
  14. Concordo com a classificação de "cinzento" que deste a este roteiro.
    Não conheço, pessoalmente, a Checoslováquia, mas pelo que tenho lido e visto (até pelo conhecimento da história) penso que os "checos" têm motivos mais que suficientes para serem "cinzentos". Povo muito sofrido, esse, e digno de admiração.
    Fizeste uma postagem óptima, com muito boas imagens e um texto excelente.
    Parabéns!

    Boa semana
    Um beijo

    ResponderEliminar
  15. querida amiga que novamente me dá uma grande lição de história!! Só posso te agradecer por compartilhar momentos tão especiais conosco e me sentir lisonjeada por ter podido desfrutar de tão agradável, inteligente, culta, querida (e muitos outros adjetivos atrativos que te cabem) companhia em Lisboa e arredores!!! em breve seguirão as fotos
    bjs

    ResponderEliminar
  16. Gostamos muito do roteiro Ruthia. Cinzento é certo, mas assim também é grande parte da história dos locais que visitamos. E é importante não deixar cair em esquecimento...
    Beijinhos nossos

    ResponderEliminar
  17. Ruthia,
    É, por vezes, necessário ver a sombra para apreciar a luz...
    A história, por mais sombria que se revele, é importante! Para não esquecer, para não recomeçar, para recordar que é fácil perder-se e difícil encontrar-se...
    Se a visita foi triste, diria como Jan Huss: "Queimam hoje um ganso, mas depois de mim virá um cisne!"
    Beijinhos!

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!