Kafka e outros ilustres de Praga

by - 02:48


Hoje desvendamos outra Praga, berço de importantes personagens históricos, que influenciaram o mundo da literatura e da arte. Hoje falamos da cidade que inspirou Kafka, Neruda, Venceslau, Mucha e outros génios




Nos primeiros posts sobre a capital checa (aqui e aqui), falei-vos da monumentalidade desta cidade da Europa Central, que parece saída dos contos de fada, com castelos pontiagudos, estátuas surpreendentes, catedrais góticas, marionetas artesanais, cemitérios milenares e ruelas sombrias.

Mas Praga ofereceu muito ao mundo, como veremos.

O primeiro nome que nos assalta quando falamos dos filhos da cidade é, claro está, Franz Kafka (1883-1924). Com todo o mérito, porque o escritor judeu está no Olimpo da Literatura mundial. Recordo-me quando o descobri, há meia vida atrás, do profundo abalo que a sua escrita me provocou. O mundo kafkaniano é de pesadelo, absurdo e paranóia. Acho que vou esconder a Metamorfose do meu filho até ele atingir a maioridade...

Já adivinharam! Este ratinho dos livros seguiu o rasto de Kafka: o local onde nasceu, onde hoje funciona um café; as casas onde morou - ele mudou frequentemente de residência, em busca de inspiração, ou simplesmente porque era um desajustado que não se sentia bem em lado nenhum, que estranhava a própria pele -; a estátua que ergueram em sua homenagem no bairro judaico; o Café Louvre onde tertuliava (o verbo não existe, mas devia) e o recente Museu Kafka. 


Clique nas imagens para ampliar.

O dito Museu, que abriu ao público apenas em 2005, recebe-nos com uma instalação provocatória: dois homens urinam sobre o mapa da República Checa

No interior, encontramos a maior parte das primeiras edições do autor, manuscritos e diários, a famosa carta ao seu pai autoritário (nota: considerar lê-la ao Pedro, quando se queixar da tirania dos pais), desenhos, instalações 3D e uma banda sonora especialmente pensada para este espaço sombrio e tétrico... O som dos corvos foi introduzido, penso, porque Kafka em checo significa corvo, o símbolo da empresa da família.

Na verdade, há vestígios dele um pouco por toda a cidade, porque nasceu em Josefov, estudou perto da Praça da Cidade Velha, morou em Malá Strana, na viela dourada do castelo (onde escreveu precisamente O Castelo) e outros lugares. A sua escrita reflecte todo o seu percurso. 

O Processo é, como sabem, inspirado no julgamento de um jovem checo,  de origem judaica, acusado da morte de uma criança católica, embora alguns teóricos malucos vejam ali alegorias sobre o pecado original.




O Bairro Judaico (Josefov) é uma das zonas mais nobres da cidade, que
concentra não só os principais edifícios daquela comunidade religiosa (como
o Velho Cemitério), mas também as principais lojas de luxo.

Interior do Museu Kafka. O ambiente sombrio e o som de fundo amedrontaram
o pequeno explorador, que não largou a minha mão durante toda a visita.



Outros filhos ilustres

Mas nem só de Kafka vive Praga. A Rua Nerudova, por exemplo, honra o jornalista, intelectual e escritor Neruda. Não, não é o chileno. Pensam que este checo se inspirou no famoso Pablo Neruda? Foi o contrário. 

O nobilíssimo criador do carteiro nasceu Neftalí Ricardo Reyes Basoalto e criou o pseudónimo artístico na adolescênciainspirado no checo Jan Neruda (1834-1891), um dos membros mais destacado do realismo checo e da “escola de Maio”, autor dos Contos do Pequeno Bairro.

Outro grande artista checo, que viveu em Praga e aqui deixou a sua marca foi Alphonse Mucha, o expoente máximo da Art Noveau, que merecerá um post só para ele (os amantes de arte comemoram, os restantes abanam a cabeça em descrença).


A estátua de Jan Neruda emoldurada pelo arvoredo da Colina de Petrin.

A estátua equestre do rei Venceslau, na Praça que carrega o seu nome.


Falar de Praga é falar também de S. Venceslau, rei e santo padroeiro cujo túmulo repousa na Catedral de S. Vito. Sobre este monarca canonizado importa referir a estátua equestre na Praça de S. Venceslau, em frente ao Museu Nacional que, pela sua imponência, muitos julgam que é o Parlamento. 

A estátua é ponto de encontro de centenas de praguenses e, diz a tradição, uma relação terá um futuro feliz se começar junto à cauda do cavalo. Portanto, se um rapaz convidar uma rapariga para se encontrar com ele aqui, está a fazer uma declaração tão eloquente quanto silenciosa!

Mas este post não ficaria completo se não referisse uma personagem mais contemporânea, que não é de Praga mas de todo o país: a simpática e omnipresente toupeira criada pelo cartoonista Zdenek Miler, em 1956. 


As histórias desta Krtek ou Krteček foram traduzidas para mais de 20 línguas e transformaram-se nos desenhos animados checos mais populares de todos os tempos. Escusado será dizer que o Pedro adorou o bicho... Para o pequeno explorador, esta é a mais ilustre de todas as personagens checas.



P.S. - Podem incluir neste roteiro o New Jewish Cemetery (Nový židovský hřbitov) onde Kafka está sepultado, ainda que fique um pouco fora de mão. Eu nem o velho cemitério judaico consegui visitar, desencorajada pela fila para comprar bilhetes debaixo de chuva... Recordam-se que este local milenar, património da Unesco, é central na trama da última obra de Umberto Eco (aqui)?


::::::::
Entrada Museu Kafka: 200 czk adulto (± 9€), mas se comprar o bilhete no Museu Mucha tem 50% de desconto.
Site do museu aqui.



You May Also Like

25 comentários

  1. Ola Ruthia!
    Ainda não tive oportunidade de ler "O Processo" de Kafka. Imagino que Pedro esteja se deliciando com a viagem. Obrigada por compartilhar tanta riqueza nas suas informações. um lindo domingo e um grande beijo.

    ResponderEliminar
  2. Ruthia,Que beleza de oportunidade de estar perto dessas belezas e ainda da história universal. Pedro ,adorando, como sempre,né? bjs, chica

    ResponderEliminar
  3. Hoho, o pequeno deve estar apavorado... Mas quanto a tentar esconder livros, acho que será inútil. Meus velhos (quero dizer, meus pais) até tentaram, mas sem sucesso. Se tiver aparência de proibido, incitará a curiosidade - o que é ótimo!

    ResponderEliminar
  4. Uma viagem inigualável...rica em imagens e informações. O Pedro tem, além da experiência de viver essa verdadeira aventura, uma cicerone particular que, pelo conhecimento cultural, em especial na literatura, vai explicando o que não ficar bem entendido...Quanta riqueza!
    Bom domingo, Ruthia, beijos...Obrigada!

    ResponderEliminar
  5. Ruthia, eu li O Processo, mas pretendo reler. Não me lembro mais da história. Muito bom vc tocar nesse assunto. E como sempre um texto primoroso que nos enche de orgulho de ser seguidora do blog. Como eu disse e repito, conhecendo o mundo através de gente que sabe escrever e fotografar.
    Uma ótima semana, beijos!

    ResponderEliminar
  6. Simplesmente espetacular esse passeio explorando a vida de Kafka! Pura cultura e fico contente por ter dividido com a gente! bjs e boa semana,

    ResponderEliminar
  7. Ruthia,

    Impressiona a cultura que é tão rica.

    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Eu não aguento a fofura do seu filho, Ruthinha!!!
    Adorei mais uma aula cheia de cultura hoje sobre Praga :)
    Beijinhos, Té
    www.bloglola.com.br

    ResponderEliminar
  9. A minha ignorância é extrema: nunca tinha ouvido falar em Jan Neruda (Neruda passa mesmo bem por um nome hispânico). De Kafka, só li A Metamorfose. Aprendo muito com o teu blogue!
    Beijinhos, boa sexta, por aqui ainda não começou a dose matinal de chuva…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, passa perfeitamente por hispânico. Também aprendi muito nesta viagem.
      Não achas que já chega de chuva?
      Beijocas

      Eliminar
  10. Aqui estou eu novamente. :)
    Confesso que nunca pensei em visitar Praga, mas diante de tão bela reportagem, vai ficar na minha lista. É incrível como há lugares belíssimos neste mundo, e não somente pela arquitetura, ou pela paisagem, mas pela história. Poder conhecer outras culturas é algo que me fascina. Entendo que algumas pessoas não tem oportunidade, outras não tem coragem, mas conheço algumas que somente visam acumular coisas materiais. Enfim, cada ser humano é único e cada um escolhe como quer levar a sua vida. Nós nascemos para sermos "saltimbancos", não é querida? Parabéns pelas fotos e pela narração! Beijos a você e ao pequeno explorador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bens materiais não está na minha lista de prioridades, mesmo. Prefiro mil vezes ser e estar do que ter. Mas quem sou para julgar os outros?
      Fiquei muito feliz por te "ver" por aqui. Finalmente o comentário deu certo. Faça sempre o login primeiro para comentar e acho que não haverá problemas.
      Beijinhos, querida

      Eliminar
  11. Ruthia,
    É como se os ilustres talentos, autores e artistas, tivessem "construído" em Praga algo de indestrutível, não é?
    Que bonita viagem!
    Desconhecia a Toupeira mas compreendo perfeitamente que, para o seu pequeno explorador, seja ela a personagem principal da cidade! Afinal, o Tintin também é o grande herói Belga! :)
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  12. Praga é uma cidade maravilhosa e sou completamente apaixonada. Muito legal seu post focado em literatura. Nós visitamos apenas a praça com a estátua. Gostei muito de conhecer os outros escritores. :D

    ResponderEliminar
  13. Praga é incrìvel!
    Faltou o super busto do Kafka que se move em todas as direções!
    ;)

    ResponderEliminar
  14. que museu incrível Ruthia, eu me apaixonei pela história e por tudo o que ela representa, sem contar é claro na cidade de Praga que é lindíssima, o seu relato meu deu uma vontade imensa de voltar!

    ResponderEliminar
  15. Que lugares interessantes. Já faz um tempo que Praga está em nossa lista de desejos. Bem legal saber desses outros lugares relacionados à personagens ilustres.

    ResponderEliminar
  16. tentei ler um livro de kafka mas não fui pra frente..estou esperando o post sobre Mucha, morro de amores por ele...e amei o comentário "(os amantes de arte comemoram, os restantes abanam a cabeça em descrença)." UAEHAUEHAUEAE MUITO BOM!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahaha, aposto que aconteceu com alguns leitores!

      Eliminar
  17. Lindo post! Eu tive a infelicidade de visitar Praga quando o museu do Kafka estava fechado. Na época fiquei triste, mas confesso que depois de ler seu post, estou ainda mais amarga. rs
    Não sabia que era assim tão interessante. Quero voltar só para visitar :)
    E como assim Neruda é inspirado em um Checo?!
    Adorei esse montão de informação! bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também fiquei consternada com essa informação do Neruda. O que aprendemos nas viagens, não é?

      Eliminar
  18. Praga realmente parece ter vindo de um conto de fadas. Adoramos quando fomos mas infelizmente não conseguimos visitar a casa de Kafka, chegamos poucos minutos depois de ter fechado, nos empolgamos muito pelas ruas das cidade :).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não consegui visitar o outro museu super famoso, porque estava fechado para restauro. É sempre uma boa desculpa para voltarmos :)

      Eliminar
  19. Que máximo! Tenho muita vontade de conhecer Praga. Adorei saber!

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!