A árvore sagrada

by - 15:19

O embondeiro estava lá, esplêndido, imóvel, centenário, imponente. São muitos adjectivos, eu sei. Mas perante ele nada pensei, nada verbalizei, ele remeteu-me ao silêncio do respeito. 






Os sobas dizem que os embondeiros já nascem velhos e talvez tenham razão. No meio da savana contemplam o mundo com o vagar da experiência, económicos em gestos: nem sequer se agitam ao vento.

Florescem apenas durante uma noite no ano inteiro, porque têm tempo, têm muito tempo. A sua vida pode chegar aos seis mil anos, só a sequoia e o cedro japonês os batem em longevidade. De certa forma, são árvores da Criação: nasceram com o mundo, já velhas e sábias. Lá diz o provérbio "a Sabedoria é como o tronco do embondeiro. Uma só pessoa não o consegue abarcar".

Embondeiro, imbondeiro ou baobá - podem ser chamados de forma diferente em Angola, Moçambique, Senegal (é o símbolo nacional), Madagáscar ou mesmo no Brasil, para onde foram levados pelos escravos. Mas onde estejam, marcam a paisagem e inspiram lendas. Uma dessas estórias conta que se um morto for sepultado dentro de um embondeiro, a sua alma viverá enquanto a planta existir.







Outra lenda africana conta que o embondeiro, por ter inveja das outras árvores, foi castigado pelos deuses e posto de cabeça para baixo. Os árabes contam algo parecido, dizem que o "Diabo desenterrou o embondeiro, enfiou os ramos na terra e deixou as raízes no ar". Olhando para ele, compreendo o porquê destas estórias. O tronco bojudo, os galhos retorcidos que mais parecem raízes, os frutos secos que pendem enormes, o contraste da árvore com os tons do pôr do sol que evoca um teatro de sombras...

Este tronco é abençoado, pode armazenar milhares de litros de água, daí resistir a grandes períodos de seca. Pode servir de abrigo, de loja, celeiro e até de sepultura. O conto O embondeiro que sonhava pássaros fala precisamente de João Passarinheiro, um ancião vendedor de pássaros, que morava num embondeiro.  

"A residência dele era um embondeiro, o vago buraco no tronco. (...) Os portugueses se interrogavam: onde desencantavam ele tão maravilhosas criaturas? Onde, se eles tinham já desbravado os mais extensos matos?" (Couto, 1990, p. 63). Na narrativa de Mia Couto, o embondeiro - metáfora da resistência contra a força colonizadora - serve de abrigo às personagens fatigadas.






Fabulações dizem vocês. O documentário A Guerra da Água (1995), de Licínio Azevedo, rodado em Moçambique prova que, de facto, os embondeiros são usados como abrigo em várias situações. Podia falar das maravilhosas propriedades (medicinais e afrodisíacas) da múcua, o fruto do embondeiro, que é a nova descoberta da medicina ocidental. Haverá mais de 80 investigações em curso para estudar as muitas propriedades desta árvore que habita a paisagem, a história e a mitologia do continente africano.

Mas a magia desta árvore reside na sua narrativa. Ela sussurra-nos África, aquela dos mercados coloridos e barulhentos, dos panos de cores garridas, das mães que transportam crianças nas costas. Conta-nos daquela África de sol escaldante e chuvas torrenciais, de terra vermelha e casas de adobe, em perfeita harmonia com a natureza. Ela mostra-nos aqueloutra África com crianças de sorrisos abertos e olhos esperançosos.

"Quando se passa parece que se evola do vegetal gigante uma aura tranquila e protectora. Como se nos visse e nos cedesse um mínimo da sua alma de tempo" (Glória de Sant'Anna, Ao ritmo da memória).



P.S. Com este post me despeço de África, pelo menos por agora. 
Podem ver estas e outras imagens da minha passagem por Angola, na página do FB d'O Berço do Mundo (aqui).



You May Also Like

20 comentários

  1. Espetaculares esses baobás... São idosos. Merecem respeito.

    ResponderEliminar
  2. Ter oportunidade de estar diante de uma árvore linda assim, sagrada, nos enche de alegria! Que beleza! Valeu muito! bjs, chica

    ResponderEliminar
  3. Este post encanta-me de especial forma. Acho os embondeiros mágicos. Eu que gosto tanto de árvores, de as abraçar, acariciar e ouvir sussurrar o que aprendem.... imagina então o que um embondeiro com tantos anos nos tem a ensinar.

    Um beijo grande.

    ResponderEliminar
  4. São poucos os baobás (assim, nomeamos aqui) que encontramos no Ceará. Há um belíssimo, no nosso Passeio Público, de quase duzentos anos: preservado e famoso, fazendo parte da história do lugar. Compartilhei no facebook, na minha linha do tempo, essa sua postagem e anexei o "nosso baobá" nos comentários. Agora, depois da despedida de Angola, o que virá? Estaremos no aguardo! Um abraço, Ruthia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida, eu tenho acompanhado as suas partilhas do meus posts no facebook. Muito obrigada pelo carinho.
      Depois de Angola? Poupar dinheiro para a próxima viagem, hehe. Nos entretantos, jornadas aqui por Portugal, que tem recantos belíssimos.
      Beijinhos, Lúcia

      Eliminar
  5. O que eu aprendi contigo sobre o embondeiro...
    Não sabia que durava tantos anos, por exemplo.
    Magnífico post.
    Bom resto de semana, querida amiga Ruthia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Passando pra ver as novidades e te desejar um ótimo dia :)
    Amo viajar com vc e conhecer coisas novas, aprender coisas que nem tinha ideia, como essa árvore que dura milhares de anos. Parabéns pelo post!

    beijinhos ;*
    http://noostillo.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde é impressionante as longevidade das árvores que nasceram com o mundo, gostava de apreciar as mesma ao vivo, quem sabe se um dia vou conseguir?
    AG

    ResponderEliminar
  8. então voltas para casa?! Sei que saudades já estão instaladas em teu peito, tanto do amor, quanto desta terra que te cativou e a Pedrinho também!
    Não sabia tanto sobre o embondeiro, obrigada pela aula, como sempre rica em história e cultura!
    Um grande abraço amiga querida, aguardando postagens sobre tua chegada e o frio inverno - que já se encontra quase pela metade - que se instalou na Europa.... bjs com saudades
    tititi da dri

    ResponderEliminar
  9. Algumas coisas eu já sabia sobre o embondeiro, mas outras desconhecia completamente apesar de ter vivido em Angola e Moçambique.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Ruthia,
    A crónica está tão bem elaborada que, quase sem darmos conta, o embondeiro começa a fixar-se em (interiores) territórios de efabulações, de coisas fantásticas, de espectador privilegiado de possíveis milagres...
    Anda por aí boa onda!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  11. Ruthia,

    Acho que somente quem já viu de perto sabe o quanto é magnífica. Eu gostaria muito de andar ao redor de uma delas. Deve ser espetacular.

    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Com a excepção da menção n'O Principezinho, nada sabia sobre o embondeiro. Portanto, gostei de ler, achei lindo!
    Bjhos

    ResponderEliminar
  13. Estive em Angola 26 meses e havia uma mara que lhe chamavam a mata do elefante havia lá embodeiros que era preciso dez homens de volta da arvore para a abraçar. Foi uma das arvores mais esquisitas que lá vi´Havia outra arvore semelhante mas muito mais pequena que não me lembro do nome, essa tinha o tronco cheio de espinhos. Ainda falando do embondeiro, havia arvores que tinham mais de cem ninhos de pássaros, era digno de se ver.
    Seu blog trouxe-me essas recordações, obrigado.
    A verdade em Poesia.

    ResponderEliminar
  14. Deleitei-me a ver os embondeiros pelos teus olhos! Também os acho fascinantes!
    Beijinhos enevoados :)

    ResponderEliminar
  15. Oi, Ruthia.
    Agradeço as mensagens deixadas no meu Blog e retribuo com desejos de muita saúde felicidades e sucesso, para você e sua família.
    Sou apaixonada por árvores. Adoro admirá-las e fotografá-las.
    Grandes qualidades você descreve sobre os embondeiros. Árvores lindas!
    Estou voltando de férias, e vou ler tudo o que perdi sobre seus passeios pela linda África.
    Grande beijo.

    ResponderEliminar
  16. Na minha adolescência as freiras do colégio me fizeram ler um texto que comparava um mau hábito a uma raiz de baobá... se não cortado a tempo, depois pode ser tarde demais...
    E que pequenina você ficou, Ruthia, perto do baobá!
    Abraço!

    ResponderEliminar
  17. Voltei para dizer que Moçambique e o Baobá foram tema do enredo da Tradicional Escola de Samba Nenê de Vila Matilde no Carnaval de São Paulo. Recordei-me deste teu artigo, tão bem escrito sobre o tema.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  18. Se despedindo de forma esplêndida! Não conhecia essas fábulas.
    Esperamos pela China então...
    Conhecendo o mundo com Ruthia....
    Beijos!!!

    ResponderEliminar
  19. Saudações senhora Ruthia. Com prazer li seu artigo sobre o Embondeiro. È semelhante ao conocido e mistica árvore de Cuba. Ele chamase Ceiba
    Acho que sâo uma memsa familia.

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!