Uma cidade a rebentar pelas costuras

by - 08:53





A maior capital lusófona faz-se de contrastes. São Paulo da Assunção de Loanda é um fenómeno explosivo. E fascinante

Os meus olhos estranham tanta luz a esta hora matutina. O corpo também ainda não assimilou a temperatura que o termómetro marca. São seis da manhã e já estão 24º C. Do Inverno europeu que deixei para trás, resta o casaco, pendurado na mala.

Já há bastante gente nas ruas. As cenas sucedem-se a grande velocidade. O meu cérebro cansado, depois de uma noite em claro, não as consegue digerir. Do primeiro impacto de Luanda fica apenas um borrão confuso. Mas umas horas depois, quando saímos para almoçar, a história já é outra. 

Sei (quase) toda a teoria sobre a cidade mas, ainda assim, os musseques* batem-me na cara, como uma estalada. Li algures que apenas 20% da cidade tem água e saneamento básico e 30% das casas têm água corrente. A maior parte das artérias secundárias não são asfaltadas, muitas estradas principais estão esburacadas. Mas o pior é o lixo. Lixo por toda a parte, aos montes, as crianças a brincarem no meio dele, os contentores a abarrotarem. 


Um brinde em frente à funerária.



Em teoria, sei que Luanda é uma das cidades mais caras do mundo e, ainda assim, assustei-me com o preço da manteiga no Deskontão. Em teoria, sei que foi projectada para cerca de 500 mil habitantes e que hoje tem mais de cinco milhões. Mas saber e compreender são duas coisas muito diferentes. E o lixo faz-me uma comichão doida, tenho ganas de sair do carro e pedir gentilmente ao senhor que acaba de largar a sua lata de refrigerante, para a apanhar.

Dama não diz palavrão, nem deita lixo no chão, lê-se num grande outdoor ali perto. Parece que as campanhas de sensibilização ainda não surtiram efeito. Os angolanos têm hábitos de consumo do século XXI, mas a sua consciência ecológica parou lá na pré-história.

No meio das intermináveis filas de trânsito, os vendedores ambulantes oferecem desde amendoins a cabides, de quadros brancos (escolares) a sapatos, driblando os carros com arte. Nos passeios ou na beira das estradas também se vende de tudo, mesmo peixe. Gosto das vestes tradicionais e garridas mas, infelizmente, a geração mais nova está rendida à lycra, colada ao corpo.






Um homem acaba de urinar a dois metros do carro, na berma da estrada, cena que assistirei muitas vezes, durante a minha curta estadia na capital de Angola. As senhoras até têm um pano largo, que colocam para esse fim. Definitivamente, esta é uma grande cidade africana esventrada, com desordens demográficas e sanitárias gritantes.

Mas as generalizações são imprudentes. E, de facto, existe outra Luanda para descobrir. Com cautela.


Paris africana

Nos seus tempos áureos, Luanda foi comparada à sofisticada capital francesa. E, a avaliar pelos projectos em curso, nomeadamente na zona da Baía e na Ilha, quer recuperar o prestígio de outrora. Edifícios modernos, altíssimos, irrompem por todo o lado. 

O porto de Luanda e respectiva marginal, recentemente renovados, podiam pertencer a uma qualquer urbe europeia. No forte de S. Miguel lá em cima, onde um dia o colonizador dominou o horizonte, vê-se como a paisagem está em permanente mudança. 


O Forte de S. Miguel está hoje transformado em Museu Militar,
em honra das Forças Armadas Angolanas.


Daquelas alturas, vislumbra-se também a mini Torre Eiffel local: o mausoléu de Agostinho Neto, o primeiro presidente angolano. Dizem que demorou 30 anos a ser concluído e que custou um bilião de dólares aos cofres do Estado. Só mais tarde soube que existe ali um espaço museológico, subterrâneo, de acesso gratuito (pelas imagens que vi na internet, o espaço é realmente bonito). Também só demasiado tarde tomei conhecimento de que o memorial, aparentemente sempre fechado, pode ser visitado em qualquer dia, basta que nos aproximemos de um dos portões e solicitemos entrada.

Não muito longe, outra construção, grandiosa, surpreende a incauta turista: as futuras instalações da Assembleia Nacional parecem uma basílica italiana, neo-renascentista. Os musseques vizinhos deverão desaparecer, num futuro não muito longínquo. Para onde irão as pessoas? Possivelmente para um desses bairros sociais que as construtoras chinesas estão a erguer às toneladas.

Infelizmente, não me é permitido palmilhar a cidade, como eu adoro. Os expatriados trancam os carros assim que arrancam, para evitar assaltos rápidos. O meu marido, que já sentiu na pele a insegurança de Luanda, foi muito peremptório: nada de deambular por aí sozinha. Nem mesmo em Talatona, zona onde se multiplicam os condomínios mais caros.





Esta escultura da rainha Ginga, na Baía de Luanda, é feita de
ferro velho e pneus usados. Gosto! 
Publicidades originais... Cliquem na foto para aumentar.
Ao fundo, a nova Assembleia Nacional de Angola.




Este medo que se entranha é tão ridiculamente castrador. Resta-nos fugir da cidade sobrelotada, do trânsito e do betão para respirar. Mas sobre as aventuras fora da capital vos falarei nos próximos episódios.




* bairros clandestinos, parecidos com os bairros de lata portugueses ou as favelas brasileiras.



You May Also Like

16 comentários

  1. Não conheço Luanda, mas muitos estudantes universitários angolanos têm vindo estudar no Brasil. Gosto de seu jeito alegre e das belas estampas coloridas das roupas. Parecem ter grande orgulho do país de origem que, pelo visto, precisará muito deles.

    ResponderEliminar
  2. Saudades da Luanda que conheci, onde trabalhei no (Colégio Marista) da Samba onde vivi quase um ano, do prédio em frente à Missão de S. Paulo, onde vivi quase 2 anos, da baixa, da Baía, do Restauração, onde costumava ir ver os espectáculos, até de alguns musseques que eram na altura bem diferentes do que mostra agora.
    Um abraço e um bom ano.

    ResponderEliminar
  3. O mundo, aparentemente tão global, perde-se em particularidades atreitas aos novos colonizadores, o poder feito à medida das minorias.
    Um excelente retrato, ainda que baseado nas primeiras impressões!

    Que o novo ano seja mais sorridente, Rutia!

    ResponderEliminar
  4. Contigo vamos viajando e conhecendo, sabendo das feiuras, lixos e belezas daí!

    Mais um belo relato e fotos! bjs, chica

    ResponderEliminar
  5. lugar de muitos contrastes, amiga.... fiquei apreensiva por ti...mas sei que estás bem e feliz com tua família unida!!
    Das belezas locais, gostei de todas, mas a estátua chamou muito minha atenção.
    A pobreza é que assusta, principalmente porque vem acompanhada da marginalidade, que é perigosa.
    Curiosa para ver os outros posts..
    Como foi de Natal e virada de ano? Aqui tranquilo, sereno....alegre como sempre!
    bjs com saudades
    tititi da dri

    ResponderEliminar
  6. Um belo relato sem maquiagem amiga.
    Uma vida difícil cheia de contrastes.
    Grato e vamos seguindo sua viagem.
    Carinhoso abraço amiga.
    Um feliz 2015.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Ruthia,

    Parece o Brasil, tem lugares lindos e tambem coisas impressionantes tais como o lixo.
    Sabe, ano passado os garis fizeram greve no Rio de Janeiro. Pode acreditar que um dos bairros mais caro do mundo, o Leblon, tinha lixo nas esquinas de fazer montes?! Fiquei chocada.
    Então, viver catando nos lixões requer muito de um cidadão, especialmente por saber que tem crianças por lá tambem.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Conheci Angola (mais precisamente Luanda), pelo que me relatava me marido ( goês) que aí viveu sete anos, na década de 1970 (veio para o Brasil em 1977). Creio que, se ele ainda vivesse, ficaria chocado vendo esse lado ruim, triste, que você nos mostra da cidade, transcorridas tantas décadas. Aguardo mais de Luanda, Ruthia.

    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  9. Tal como a Ruthia, fui pela primeira vez a Luanda, no passado mês de dezembro. Foi uma viagem curta, de domingo a sábado, no entanto, deu para ver e sentir, tudo o que a Ruthia aqui partilhou connosco. Confesso que nos primeiros dias, queria vir embora depressa. Depois, comecei a confirmar-me. Agora, sinto saudades e vou querer lá voltar.

    Obrigado Ruthia por esta partilha tão realista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que felicidade, "ver" o amigo transmontano por aqui. É verdade, Angola é um país fantástico, com um potencial esmagador. Há-de encontrar o seu caminho. Afinal, não saiu de uma guerra civil assim há tantos anos...
      Abraço, Jorge

      Eliminar
    2. Olá ruthia
      Não é que seja importante, mas sou da Beira alta, portanto, beirão.
      Um grande abraço a todos os transmontanos, que também são muito boa gente.

      Eliminar
  10. A nossa cidade é mesmo assim: cheia de contrastes. Musseques coexistem com casas da população média-alta; lixo no chão em quase todo o sítio (excluem-se os condomínios); pessoas que urinam na rua, [este, em particular, aborrece-me sobremaneira, felizmente, recentemente o governo espalhou urinóis (w.c. públicos) nas ruas]. Muitos assaltos [não são apenas os expatriados que trancam as portas assim que arrancam (sou local, e tb o faço); mas existem áreas mais tranquilas.

    Algo implantado ao longo de muitos anos, custa a mudar.
    Mas há sítios mais calmos em Angola. Estive no Lubango recentemente, e é muito diferente. Espantei-me porque quase nunca se tranca o carro, nem precisa de se ter medo de carregar uma máquina fotográfica profissional à noite. Tudo quieto, e todos se conhecem, e está cheia de sítios lindos para visitar.

    Ah...durante a tua estadia por cá, livra-te de atropelares alguém, mas se acontecer, não pares. Amotina-se muita gente à volta, e por seres "clarinha", levantam-se contra ti [em casos mais graves, podem matar].
    O melhor é não parar, e ir direto à delegacia mais próxima para explicar a situação.

    Por outro lado, se tiveres algum problema com o carro durante o caminho, haverá sempre alguém para ajudar-te.

    A curiosidade e o "ser metido" estão no sangue da população [em geral].


    Para terminar, há algo, tristemente, tão característico de Luanda, que não tem como deixar de lado.
    Já ouviste falar da famosa "gasosa"? Está presente em todo o sítio: ao estacionar o carro, ao ser parado por um polícia, na escolas, nos órgãos governamentais.. A "gasosa" é dinheiro que se dá em troca de um favor, muita da vezes desonesto ou sem razão de ser. Eu encontro um lugar público para estacionar o carro, e já vem um moço pedir gasosa com a desculpa que ou vai guardar o carro ou foi ele que te "indicou" o lugar (só pq estava lá perto); e caso não dês, ou deres a entender que não vais dar nada, ele mesmo é que te assalta o carro.
    Mas o pior mesmo é a gasosa nos policiais e nas escolas [para passar de ano]. Se fores parada, e não estiveres com todos os documentos do carro em dia, mas não quiseres pagar multa, é só dizer: "me ajuda só sr polícia".. esse é o código. Muitos deles correspondem e aceitam 1000kz, 2000kz (20 e 40 reais), e deixam-te ir.

    A causa? Muitos deles não têm o que dar à família, o salário é pouco, a coisas são caras, então recorrem a esses meios.
    1000kz (20reais) por cá, não é nada.

    É complicado. 

    O povo é muito acolhedor, e facilmente sentes-te em "casa". É muito festeiro.
    Raramente encontras pessoas que reclamam da vida. "-Está tudo bem srª? -Está tudo bem minha filha."

    Mas também é muito trapaceiro. É difícil arranjar funcionários de confiança.
    [Para tudo há excepções]

    Mas na camada mais jovem, [jovens-adultos] já se vêem muitas transformações. Continuando assim, o país verá mudanças significativas em alguns anos.

    Um abraço. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Nadine, pela sua presença e pelo seu contributo tão valioso. O olhar de alguém da terra é de suma importância.
      Um abraço, espero "vê-la" por aqui mais vezes.

      Eliminar
  11. OI RUTHIA!
    INTERESSANTE TEU POST, GOSTEI DE LER SOBRE LUANDA POIS POUCO OU QUASE NADA SABIA DE LÁ.
    LI O COMENTÁRIO DA NADINE, QUE PELO QUE ENTENDI MORA LÁ E TAMBÉM SE RECENTE COM TANTAS COISAS QUE PRECISAM MUDAR.
    ENTÃO, NOSSOS QUERIDOS "PEDROS" TEM COISAS EM COMUM, A CAMISETA DO BRASIL, A BOLA E MUITO AMOR NÉ AMIGA?
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  12. Que seu fim de semana esteja a fluir bem com sua familia.
    Um abração com carinho amiga.

    ResponderEliminar
  13. Tenho uma amiga a trabalhar em S. Paulo e a única queixa dela é também a insegurança.
    Acredito que Angola há-de ultrapassar aos poucos os seus problemas e desenvolver-se muito mais, aliviando tantas assimetrias!
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!