Um douto domingo

by - 17:16




Um grupo de turistas posa na escadaria da antiquíssima Faculdade de Direito, ao lado de um estudante, cujo negro trajar contrasta com as veneráveis cãs dos visitantes. Afável, o rapaz empresta a sua amada capa para a foto, explicando: "it only can be washed in the river or by the rain".

O grupo sorri, complacente, porventura recordando a intensidade da juventude, quando todos os obstáculos parecem dantescos e todas as paixões são fulminantes e arrebatadoras.

Em tempos, também cumpri o ritual de transpor a Porta Férrea, olhar A Cabra de soslaio antes de ir pousar o olhar sobre o Mondego, para depois correr para uma qualquer sala decrépita e beber a sabedoria dos mestres. Também "olho para dentro", introspectiva, quando se fala de Coimbra e digo orgulhosamente que a mais velha universidade portuguesa é património da humanidade. A Unesco só demorou um bocadinho a descobrir esta verdade de la Palisse...


O perfil de D. João III e, ao fundo, a porta da belíssima Biblioteca Joanina.


Regressei à cidade dos estudantes a convite do Carlos Castela, geólogo, professor, viajante e autor do site Portugal Notável que, a todas estas qualidades, soma outra impagável: é fã d'O Berço do Mundo!

Conimbricense de nascimento, formação e paixão, o Carlos desvendou os detalhes menos conhecidos da sua terra, como o Paço de Sobre Ripas, construído em cima da Torre da Contenda,  e a vizinha Torre do Anto, onde o António Nobre morou,  no século XIX.

               "O poeta aqui viveu no oiro do seu Sonho
            Por isso a Torre esguia o nome veiu d'Anto
            Legenda d'Alma Só e coração tristonho
            Que poetas ungiu na graça do seu pranto
"


Para o pequeno explorador, tudo foi novidade. É sempre intenso ver o mundo através dos seus olhos deslumbrados. Como não achar graça a uma escadaria que "quebra costas" ou ficar um pouco envergonhado perante uma guitarra tão feminina? Como não abrir os olhos em assombro, perante o gigante criptopórtico onde, há dois milénios, assentava o fórum de Aeminium (a Coimbra romana)? O topónimo lembra-lhe os minions do Gru Maldiposto. Simples assim!



A Sé Velha e o rio dos poetas, vistos desde o Restaurante Loggia, no Museu Nacional de Machado de Castro.
Uma guitarra portuguesa, de 2013, homenageia o fado de Coimbra.
A feminilidade da guitarra e a Torre de Almedina.

Como não admirar as conchas gigantes, enviadas de Timor, para enfeitar a Sé Velha? Ei-lo de nariz no ar, como todos nós, à procura da inscrição árabe que fica algures na fachada desta igreja que até parece um castelo!?

Uma expressão árabe num templo cristão medieval é realmente desconcertante - significa qualquer coisa como "Um dia a minha mão perecerá, mas fica a marca da minha amargura" - e remete directamente para a florescente época de Sesnando (Sisnando ou ainda Sizenando) Davides. O alvazir governou a região durante três décadas, ainda antes de Portugal ser uma nação, criando uma sociedade tolerante, onde cristãos, judeus e moçárabes conviviam pacificamente.

O olhar atento do anfitrião, o encanto de Coimbra e a honesta caldeirada de peixe d'A Taberna escapam às imagens. Aqui ficam as possíveis, reiterando o convite para repetirmos o passeio, desta vez em Guimarães.


Uma concha de Timor fotografada pelo Pedro (cima, esq.). Com o Carlos Castela, Rita Miguel e Eliana Cristovão, que não via
desde os tempos da faculdade (cima, dir.). Inscrição árabe perto da Porta Especiosa e claustros interiores da Sé Velha
.




Conheçam outros sítios notáveis do nosso belo país aqui!

You May Also Like

15 comentários

  1. A bela Coimbra. Há três anos que la não vou. Está projectada para Maio uma visita de estudo. Vamos ver se se concretiza.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  2. Não foste ao Mosteiro de Santa Clara a Velha? Ias adorar de certeza. Sou apaixonada pelo local que tenho tido oportunidade de visitar várias vezes e com bastante liberdade de movimentos.
    Beijo enorme.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não atravessamos a ponte, não houve tempo. Quando tiveres lá uma peça, avisa. Pode ser que dê para "matar 2 coelhos", you know what I mean...
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Deve ser interessante observar como o Pequeno Explorador vê e interpreta uma instituição tão antiga com suas tradições...

    ResponderEliminar
  4. Querida Ruthia
    Coimbra, a cidade mística, que trago no coração desde que nasci. É a minha capital de distrito, já que sou natural da Figueira da Foz.
    Adoro o Fado de Coimbra. Cresci a ouvi-lo. Escutei muitas vezes minha Mãe cantar “A Samaritana”, à data proibido (claro que ela cantava só em casa…)
    Há pouco mais de um ano visitei de novo todos estes lugares, e muitos outros. Nunca me canso de ir a Coimbra, apesar de não ter conta o número de vezes que lá fui.
    Parabéns pela bela postagem.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  5. Como Coimbra é linda amiga, adorei as fotos!!! Então estava viajando e curtindo o carnava hihi :)
    E chá bar é assim, reunimos amigos e parentes e o meu noivo ganha bebidas dos meninos e eu ganho das meninas utensílios para a cozinha.
    Beijinhos, Té
    www.bloglola.com.br

    ResponderEliminar
  6. Que belos lugares e imagino os olhares do pequeno explorador pra tudo que viu e nem imaginava ver,rs bjs, chica

    ResponderEliminar
  7. mais lugar que anotei para visitar quando for novamente para Portugal! Estou em tratamento para parar de fumar... se der certo -e vai dar, espero até 2017 poder viajar.
    bjs com carinho
    tititi da dri

    ResponderEliminar
  8. Ainda está nos meus planos conhecer Coimbra... Quem sabe na próxima vez em Portugal!
    Aliás, este país é belíssimo e muito, muito simpático também!

    Beijinhos

    Bia <°))))<

    ResponderEliminar
  9. Que preciosos detalhes desta tão bem cantada Coimbra, vc nos traz, Ruthia.
    A cada passeio contigo renovo desejos de retornar em visitas mais esmeradas por terras portuguesas.

    "Coimbra do chopal
    ainda és capital
    do amor em Portugal,ainda..."

    Bjos festivos pra ti e pro pequeno.
    Calu

    ResponderEliminar
  10. Fiquei pouquíssimo em Coimbra, há muitos anos atrás, mas percebi que é uma cidade linda e cheia de história.

    ResponderEliminar
  11. Essa visita fica para uma próxima ida à ssa região tao bonita. Quero conhecer.
    Abraço carioca!

    ResponderEliminar
  12. E o desbravador acumulando riquezas que nunca terão preço! Que riqueza ele já carrega em sua pouca idade!
    Imagina qdo adulto? Acho que comentei sobre isso... rsrs
    Beijos, Ruthia!

    ResponderEliminar
  13. Já não vou a Coimbra há uns bons anos, agora fiquei com vontade de voltar! :)

    ResponderEliminar
  14. Ruthia,
    Mais uma bela crónica, bem escrita, mais uma saudação à Língua Portuguesa. E o pequeno explorador, sempre atento, vai enchendo o seu bornal. :)

    Um beijo :)

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!