Lágrimas por uma gueixa

by - 16:58




Puccini, uma história passional e a estreia do pequeno explorador na ópera catapultavam as expectativas para a estratosfera. Acrescente-se ainda o facto desta obra do famoso toscano ter sido estreada, em fevereiro de 1904, no belo Teatro alla Scala de Milão, onde já tivemos o privilégio de estar (aqui). Tudo somado, o Pedrinho estava super entusiasmado com os bilhetes para a emblemática Madame Butterfly.
Os bancos do pavilhão Multiusos de Guimarães não são iguais aos belos estofados vermelhos do teatro milanês. E as temperaturas de Novembro não ajudam propriamente ao conforto. Mas não é comum este tipo de arte se desviar do circuito Lisboa-Porto, pelo que me pareceu uma oportunidade imperdível.
Assim, foi num assento duro e toda encasacada que assisti à tragédia da bela gueixa que se enamora pelo oficial da marinha americano, de seu nome Pinkerton: enredo que fui desvendando a um menino algo desapontado por não conseguir perceber o italiano cantado.

© uau produções


Duas horas e meia depois, quando cerraram as cortinas, tinha os olhos rasos de água e o Pedro ao colo, adormecido. Ah, aquele clímax quando Cio-Cio-San pega no punhal com que o seu pai cometeu hara-kiri, o suicídio ritual japonês, e lê a inscrição: "Com honra morre aquele que não mais com honra viver pode", pondo termo à vida...
A ópera tem destes milagres, somos capazes de nos alhear do desconforto e do frio, para pairarmos no limbo sublime das emoções. Todos se levantaram para aplaudir a soprano Gema Scabal e demais companheiros da Ópera del Mediterraneo excepto eu, que me desdobrava entre limpar as lágrimas e acordar o Pedro com a suavidade possível.


P.S. A produtora responsável por esta ópera apresenta, em breve, o Lago dos Cisnes, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Não acham um programa perfeito para a quadra de Natal? Mais informações aqui.

You May Also Like

21 comentários

  1. Hmmm, há quem diga que, em se tratando de ópera, a gente ouve a música e esquece o libreto, porque, na maioria das vezes, as histórias não passam de um acervo de tolices. Bem, nem sempre... Adoro Dom Giovanni!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso, a história tem uma boa inspiração na realidade, já que, após longos anos de isolamento, o Japão abriu as suas portas no final do século XIX aos americanos e muitos deles tiveram "casamentos temporários" com meninas japonesas...

      Eliminar
  2. Ora viva. Já tinha saudades dos seus post. Conheço a ópera, tinha-a gravada mas nunca a vi ao vivo. Aliás nem esta nem nenhuma outra, embora já tenha visto em tempos na TV, e tenha os cds.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Elvira. Há sempre algumas alturas do ano em que o trabalho em sobrecarrega e sobra pouco tempo para viajar ou escrever.
      Abraço

      Eliminar
  3. saudades d ler-te... ainda ontem pensava que tenho que vir aqui para ver que houve que os posts careceram... e então hoje, ao abrir a caixa de e-mail, e deparo com toda essa lindeza - amo Puccini (e tudo que me remete à Itália) e Mdme. Butterfly é uma obra magnífica.. pena não termos a cultura da ópera aqui no Brasil - são raras as apresentações e aqui, no interior, é pior ainda... damos graças às orquestras que aqui vem nos encantar com os clássicos e os não tão clássicos! Bjs com saudades.. entrando o clima de natal..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas a ópera é para uma elite mesmo. Imagina essa oportunidade e metade dos assentos estavam vazios... e o preço dos bilhetes nem era caro, mais barato que os bilhetes para o concerto da dupla Sr. Jorge & Ana Carolina, que estiveram aqui em Guimarães no mês passado!

      Eliminar
  4. Olá querida Ruthia, uma peça imperdível ainda que com o final trágico.
    E o pequeno explorador ensaiando pelos palcos das grandes peças. Cai o pano e el adormecido.Não viu o desfecho por certo.
    Também não perderia esta peça pelo conforto de uma casa de espetaculo não preparada.Estaria lá bem na frente.

    Bom lhe ver e ler.
    Meu terno abraço
    Bju de paz amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, amigo mineiro, perdeu o final. Mas acredito que se vai lembrar para sempre da primeira vez que assistiu a uma ópera ao vivo, e como a música o fez sentir.
      Abraço

      Eliminar
  5. Que beleza,Ruthia e realmente uma bela opção para esse período essa ópera. Aproveita! Obrigadão pelo carinho por lá! Tá quase chegando o filhão...bjs, chica

    ResponderEliminar
  6. O pequeno explorador foi muito bem introduzido ao belo mundo das óperas, não tenho dúvidas! Um beijo cheio de saudade aqui do Malaui! ;)
    Ana Christ

    ResponderEliminar
  7. O Scala de Milão é realmente uma sala mítica e cheia de história e quando estas obras saem da rota Lisboa-Porto à que aproveitar.
    Um abraço e bom Domingo.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
  8. Foram horas de pura emoção Ruthia que ofuscaram o desconforto e, mesmo cansado, Pedrinho guardou na melhor memória as vibrações melodiosas.
    Ocasiões assim são imperdíveis.
    Bjo fraterno,
    Calu

    ResponderEliminar
  9. Nossos gostos são diferentes mas não tira a beleza da música: aprecio muito a ópera, sempre que vou a minha terra natal, tenho o privilégio de ouvir. Mas meu forte mesmo é o samba, hoje mais para ouvir, pois a idade e as dores são meus vilões.
    Aliás, tenho outro blog mais adulto: Lua Singular.
    Obrigada pelo carinho
    Que Deus a abençoe
    Beijos
    Minicontista2.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A idade e as dores não perdoam ninguém, Dorli! Visitarei o seu outro espaço logo que me for possível.
      Abraço

      Eliminar
  10. Como te entendo, querida Ruthia!
    Eu adoro ópera, sendo que as minhas preferidas são as de Puccini, e em primeiro lugar Madame Butterfly.
    Não consigo ouvi-la sem me arrepiar, do mesmo modo que não consigo vê-la sem chorar.
    Também eu não teria qualquer dúvida em assistir num lugar menos cómodo, pois logo que a música começa esquecemos o mundo e tudo o que nos rodeia, não é mesmo?
    Foi pena o Pedrinho adormecer, mas compreende-se... ainda é muito novinho para resistir tanto tempo. Não te preocupes, tem muito tempo à sua frente para assistir a ópera... :)))

    Já vi O Lago dos Cisnes várias vezes, mas vê-lo-ei outras tantas sem o menor sacrifício (o ballet é outra das minhas paixões). Tenho que desafiar a minha filhota para ir comigo... :)

    Desejo-te dias muito felizes e... musicais :)

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  11. OI RUTHIA!
    DEVE TER SIDO UM DESLUMBRAMENTO E AGORA, VERÁS O LAGO DOS CISNES, DEMAIS.
    O PEDRINHO, APESAR DE TER DORMIDO É TEU ESCUDEIRO E COMPANHEIRO DE SEMPRE NÉ?
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, ele é o meu companheiro de aventuras. Não vamos ver o Lago dos Cisnes porque nessa data já estaremos no estrangeiro para passar as Festas com um pouco de calor...
      Abraço

      Eliminar
  12. Que delícia, apesar do frio e da dureza das cadeiras! Nunca fui à ópera, quem sabe para o ano que vem :)
    Beijinhos, bom Dezembro!

    ResponderEliminar
  13. Bom dia, desfrutou da sua opção em estar presente na ópera que foi bela, certamente.
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
  14. Boa tarde! Parabéns pelo passeio.
    Eu e minha esposa somos apaixonados por ópera e pelo Teatro Pedro II em Ribeirão Preto/SP! Aqui deixamos um abraço pra ti! Tudo de bom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela sua amável visita e pelo comentário. Já estive em Ribeirão, mas não consegui visitar o interior do Teatro. Pelas imagens que vi, parece perfeito.
      Abraço

      Eliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!